Preço de mercado x realidade da locadora

Preço de mercado x realidade da locadora

Não é de hoje que acompanho alguns debates sobre preços de locação de equipamentos praticados no mercado. Nesses debates, cheguei inclusive ver sugestões de tabelas com preços base de locação de equipamentos, como forma de ajudar os locadores a fortalecer o mercado de locação do Brasil. Acho que não precisa ser muito experiente no mercado para entender que fortalecimento de categoria não é construído com base em monopólio.

Sei que nesse momento além de discordar de mim, existem locadores me xingando por esse comentário; e respeito isso, podem acreditar. Mas fiquem comigo até o final e acredito que vão entender meu posicionamento quanto a essa discussão. Mas antes deixa eu contar uma historinha sobre o início de minha carreira.

Quando iniciei meus trabalhos de marketing em 2008, comecei a pesquisar sobre os valores praticados por agências, freelances e curiosos. Percebi que, no que diz respeito a qualidade entregue dos serviços, não havia tanta diferença assim mas, no que diz respeito aos preços praticados, era algo surreal. O mesmo site que era cobrado na época por R$800 por um freelance qualificado, era cobrado por R$1.600 a R$2.200 por uma agência. E olha que estou citando um preço praticado por uma agência de pequeno porte, como a minha.

Naquela época, assim como hoje, algumas agências ainda falam muito mal das pessoas que praticam preços menores. E é bem óbvio que isso vai acontecer em qualquer segmento. Afinal de contas minha agência não tem os mesmos custos que uma agência de grande porte. Um freelance não tem os mesmos custos que eu, logo seus preços serão menores do que os meus.

Em uma conversa descontraída com um locador e amigo, disse a ele o seguinte: Você acha que pagar entre R$500 a R$700 em média por uma gestão de mídias sociais é caro? Já experimentou fazer essa cotação com uma agência de marketing de grande porte? Faça isso e depois volte a conversar comigo. Até hoje espero pelo feedback dele.

O mercado foi e sempre será competitivo, isso é um fato! Quer a gente queira ou não. O problema é que com a internet, as empresas que eram maiores, estão hoje concorrendo em um ambiente digital de pessoas com mais informações e mais criteriosas, com empresas menores; e posso dizer com toda certeza que, de igual para igual! Já se foi o tempo em que só ganhava espaço no mercado quem podia pagar mídias como a TV, Jornais, Revistas. Hoje, na internet, não importa o tamanho do seu orçamento, mas as qualidades que sua empresa oferece tanto desde o atendimento ao pós venda!

A briga não deveria ser pelo PREÇO PRATICADO, e sim pela forma como o consumidor percebe sua empresa, seus produtos e seus serviços. Busque entender o que seus clientes pensam a respeito da sua locadora e com isso, comece a construir conceitos QUE VÃO GERAR MAIS VALOR para o seu negócio. Fazendo isso, independente do PREÇO que você praticar, os clientes sempre vão te procurar. Faça esse teste!

Agora que você chegou até aqui, deixa eu te contar uma coisa.

Sou super a favor de algumas planilhas que estão disponíveis gratuitamente na tentativa de ajudar os locadores mais novos a precificar de forma correta seus equipamentos. Mas lembre-se! A forma correta de precificar não pode estar acima da realidade da locadora do seu concorrente. Muito menos da região onde ela se encontra. Cada locador tem sua particularidade, seja de despesas, seja de investimentos, mas NENHUMA DELAS É IGUAL A OUTRA!

Resumindo, se você é locador pequeno e ainda não sabe como precificar seus equipamentos, baixe uma dessas tabelas disponíveis na internet. Elas podem nortear seu negócio, expandir seus horizontes, mas nunca esqueça de uma coisa: NUNCA SE SUBMETA à pressão de uma tentativa de monopólio. Pois isso além de não fortalecer a categoria, ainda vai tirar você, que é pequeno, do mercado, deixando ele apenas para quem tem mais grana e mais tempo de mercado.